Arquivo da tag: produtividade

10 habilidades difíceis de aprender que valem para a vida toda

 

ImportanteAs melhores coisas da vida podem não custar dinheiro algum - mas isso não significa que você não leve tempo, faça esforço ou empenhe-se para conquistá-las. Isto é principalmente válido quando trata-se de aprender certas habilidades difíceis, mas que irão ser úteis a vida inteira. Mais quais seriam estas habilidades? A pergunta foi feita na rede social Quora e o site Business Insider*1 selecionou as  melhores respostas. Leia abaixo e reflita se as habilidades listadas podem lhe ajudar - independente do tamanho dos desafios que têm pela frente:

 

1. Empatia

"Você  pode ser a pessoa mais disciplinada, brilhante e até rica - mas se você não se preocupar em ter empatia com outras pessoas, você basicamente vai parecer  um sociopata", escreveu a usuária Kamia Taylor. Empatia é uma habilidade fundamental que tem sido repudiada de maneira geral no meio dos negócios modernos, analisa a empresária Jane Wurdwand. "Mas empatia é a habilidade de sentir o que os outros sentem. É isso que motiva as pessoas a realizarem um bom trabalho, as faz querer ir além de realizar apenas aquilo pelo que são pagas", disse.

 Neste sentindo, veja também:

Sete hábitos de 5 minutos ( de milionários ) que poderão te ajudar a enriquecer

A FILOSOFIA DO MESTRE YODA EM 8 FRASES 

 

2. Saber gerenciar

Gerenciar bem uma equipe é uma das habilidades mais valorizadas pelos funcionários. Como não há uma fórmula exata de fazer isso, é importante encontrar um meio que funcione para você e para todos, escreveu Alina Grzegorzewska. "O mais difícil para mim foi aprender como agir. Como organizar todas as tarefas, programá-las, e conseguir fazer tudo no tempo correto de acordo com o restante do time".

Neste sentindo, veja também:

Coaching: Ferramenta Estratégica para Obtenção de Resultados 

5 hábitos para aumentar a sua produtividade 

6 maneiras rápidas de evoluir em seu trabalho 

Saiba mais sobre a criatividade - veja fatos comprovado

Acerte na Esratégia!

 

3. Organizar o seu sono

Há tantas dicas para conseguir ter uma boa noite de sono. Mas, independente daquilo que deseja seguir, estabeleça um ritual que irá se repetir todos os dias e garantir que você, de fato, descanse. Inúmeros estudos mostram que ter um sono consistente ajudará você no dia a dia de trabalho.

Neste sentindo, veja também:

Saiba mais sobre os segredos da longevidade 

Ao Dormir mais você estará menos sensível às emoções negativas 

10 coisas simples que você pode fazer hoje que vai fazer você feliz, apoiada pela ciência 

 

 

4. Pedir ajuda

"Uma vez me disseram durante uma entrevista de emprego: você não terá esse trabalho caso você não peça ajuda quando precisar", escreveu Louise Christy. "Claro que eu disse que pediria por ajuda. Tempo depois, aquela mesma pessoa que me deu o emprego gritou porque estava sobrecarregada, mas não conseguia admitir isso e nem pedir ajuda". Louise explicou que o ato de pedir ajuda, e admitir que você precisa que alguém lhe diga como fazer algo, é extretamente difícil de adquirir - já que isso comumente é visto como sinal de fraqueza ou incompetência. Mas um recente estudo da Harvard Business School mostra que fazer isso lhe faz ser visto como mais capaz- e não o contrário. Segundo os autores do estudo, quando você pede por algum conselho, você valida aquela inteligência ou expertise, o que aumentará suas chances de obter sucesso naquela tarefa ou ação.

Neste sentindo, veja também:

9 hábitos das pessoas muito muito ricas 

 

5. Pense positivo sobre si mesmo

"Não importa mais o que os outros pensam sobre você", defendeu Shobhit Singhal. "Mas, sim, o que você pensa de si mesmo - o problema é que leva-se tempo para construir confiança sobre nós mesmos e a habilidade de continuar acreditando na nossa capacidade mesmo que ninguém mais acredite", disse. Nesse aprendizado, vale a pena afastar a negatividade que às vezes toma conta de nós e ofusca a confiança em nós mesmos, disse Betsy Myers, diretora do The Center for Women and Business da Bentley University.

Neste sentindo, veja também:

Saiba como a Psicologia Positiva pode nos ajudar a sermos mais felizes e produtivos 

4 passos para criar uma rotina de produtividade 

Pesquisa revela que exercícios físicos reduzem riscos relativos a doenças como  Alzheime

 

6. Saiba quando ficar calado

Você não pode simplesmente sair por aí se lamentando por tudo acontece. Em alguns casos, o melhor a fazer é simplesmente ficar quieto", escreveu Roshna Nazir. E esses casos são muitos: "quando você está com raiva, chateado, agitado ou é contrariado. Nós tendemos a explodir por qualquer coisa e isso toma conta de toda nossa cabeça. E, depois, a chance de se arrepender é enorme", escreveu Anwesha Jana. Manter-se de boca fechada nesses momentos é uma habilidade valiosa e muito difícil de conquistar. Mas pode te salvar de vários arrependimentos.

 

7. Saiba escutar o que ouve

"Muitos de nós estão sobrecarregados no trabalho - e há mensagens novas toda hora, telefones tocando, TV ligada. Nosso cérebro só consegue tolerar tantas informações simultâneas antes de dormimos", disse  Nicole Lipkin, autora "What Keeps Leaders Up At Night". Uma dica para manter-se em estado de escuta permanente é repetir para si mesmo o que outra pessoa disse momentos antes. "As coisas tornam-se muito mais simples quando todo mundo está na mesma sintonia", disse.

Neste sentido, veja também:

Dicas para ler ativamente ouvir atentamente  

Como ler livros de forma realmente eficaz

 

8. Resistir às fofocas

"O que aprendi de mais importante na minha vida é cultivar boas relações. E, para isto, é fundamental construir e manter a confiança nas pessoas", escreveu Jason T Widjaja. Uma das maneiras mais fáceis de perdê-la é fazendo fofoca pelas costas. Widjaja disse que acabou percebendo que fazer fofoca o distanciava das pessoas influentes e de conversas importantes. "A recompensa que você recebe por não entrar nessa é enorme", diz Widjaja

 

9. Aprender uma nova língua

Essa habilidade lhe permitirá conversar com um maior número de pessoas e, com certeza, lhe dará maiores oportunidades profissionais. "Dominar o inglês foi um presente incrível na minha vida. Eu ganhei uma nova forma de ver as coisas e de pensar", disse o húngaro Balázs Csigi, CEO da Metaphor English. Csigi diz que a chave para aprender outra língua é dominar a cada parte de sua cultura - não é fácil e esta é uma busca permanente.

Neste sentido, veja também:

Dr. Fabiano Moulin dá dias importantes sobre a prevenção do Mal de Alzheimer

Dr. Fabiano Moulin dá dias importantes sobre a  saúde do Cérebro 

 

10. Falar em público

Falar em público pode ser um enorme desafio para a maioria das pessoas. Até mesmo o bilionário e megainvestidor Warren Buffett sofre com isso. Buffett comentou que uma vez ficou tão aflito em fazer um discurso público que achou que iria vomitar. Leva-se tempo para conseguir falar em público de um modo mais seguro."É uma questão de prática - faça e pratique", disse Buffett.

Neste sentido veja mais:

Vídeos sobre comunicação verbal e técnicas de apresentação 

Curso de Oratória: A arte de falar bem e fazer apresentações em público 

Curso Técnicas de comunicação escrita para executivos 

Curso Teatral para Não Atores

Curso Tecnicas de Apresentação: Falar para Liderar 

Como obter sucesso em apresentação de vendas em 10 passos 

Dicas para pessoas tímidas terem sucesso nos negócios 

 

*1->Fontes:

10 habilidades difíceis de aprender mas que valem para a vida toda-> https://glo.bo/2nobktn

15 skills that are hard to learn but will pay off forever->

http://www.businessinsider.com/skills-that-will-pay-off-forever-2017-1/?utm_source=feedly&utm_medium=webfeeds/#-2

 

 

 

 

Como ser encontrado (rapidamente) pelos recrutadores no Linkedin

 

LinkedinProfile

Os recrutadores de redes sociais pesquisam na base de dados do LinkedIn candidatos que possuam um conjunto específico de qualificações e / ou palavras-chave no Perfil.

Depois de pesquisar o banco de dados, os recrutadores são atendidos com "resultados de pesquisa" que incluem uma visualização de perfil para cada candidato.

Como um candidato a emprego, você deseja aparecer nos resultados de busca para os candidatos com o seu conjunto de qualificações, de forma ideal como sendo superior a outros candidatos. Isso é muitas vezes chamado LinkedIn SEO, ou como melhorar o seu "Rank" de pesquisa do LinkedIn.

Tenha em conta - você quer se destacar dos outros candidatos e envolver o interesse dos recrutadores para que eles cliquem  em seu perfil instantâneo para saber mais e, eventualmente, para obter suas informações de perfil completo. Desta forma este artigo compartilha a visão do autor sobre este processo de apoio ou terceirização do LinkedIn e fornecerá conselhos sobre como você pode aparecer e se destacar!

Como o LinkedIn "sourcing" funciona? Como os recrutadores pesquisam o banco de dados?

Clique aqui e veja artigo original ( em inglês ) ou no link a seguir-> http://bit.ly/2l7hgpI

 

Veja também:

Saiba o que os recrutadores veem em seu Curriculum no Linkedin->http://bit.ly/2kiP6Y7

 

 

Como Ler Livros - Mortimer J. Adler e Charles Van Doren

Como ler livros

 

Como sabemos, no Brasil a maior parte das "pessoas lê mal", pois em sua maioria a população não chega sequer a completar o Ensino Fundamental.  Por outro lado, infelizmente, a posse de diploma não é garantia de capacidade de leitura eficaz.

Mas problemas nessa área não são exclusividade do Brasil, tampouco de países pobres. Já na década de 70, Mortimer Adler - um dos autores do livro citado - já denunciava que a capacidade de leitura dos norte-americanos que não passava do nível do sexto ano letivo, ou seja, mais ou menos o do nosso primário ou 5.ª série. Desta forma primordialmente este livro busca:

 

  • Demonstrar porque as habilidades de leitura con­ven­cionais não bastam para a compreensão de livros difíceis e complexos;
  • Ajudar o leito a adquirir competências de leitura mais sofisti­cadas;
  • Como aplicar essas habilidades para analisar qualquer comunicação, indo de simples informes publicitários até entender grandes livros.


A preocupação fundamental dos autores, que deu motivação inicial para a obra, é que as escolas não ensinam as competências de leitura de alto nível necessárias para se desfrutar tanto de livros informativos como instrucionais e nós precisamos dessas habilidades para lidar com livros que vão além da nossa compreensão. Esses mesmos livros, segundo os autores, garantem os insights mais profundos e duradouros. Adler e Van Doren delineiam uma abordagem sistemática para nos ajudar a construir e sustentar novas habilidades de leitura que irão nos ajudar a se conectar às obras mais difíceis, complexas ou de níveis múltiplos. Para os autores, um livro "consiste da linguagem escrita por alguém com o objetivo de comunicar algo para você". Como requisitos principais para a realização da obra os autores perceberam:

  • Ler bem é melhor do que ler muito;
  • Geralmente, as escolas não ensinam competências de leitura além do fundamental. A maioria das pessoas lê ao nível do 9º ano, mas você pode alcançar níveis mais altos;
  • Para ler ativamente, devemos desenvolver técnicas de anotação, partindo-se dos pensamentos e perguntas sobre o conteúdo de um determinado livro;
  • Para conferir se um livro vale a pena ser lido, "averigue-o" por meio do "folheamento sistemático" ou da "pré-leitura", para identificar a sua estrutura e design;
  • Leia os grandes livros ana­liti­ca­mente, sempre buscando en­tendi­mento, não apenas informação;
  • Para ler um livro ana­liti­ca­mente, faça quatro perguntas: O livro trata de quê? O que está sendo dito? O que ele diz é verdade? O conteúdo é relevante?
  • Para verificar o que um livro realmente diz, busque as suas ideias, afirmações e argumentos. Quais "termos e proposições" ele utiliza?
  • Você consegue realmente entender o foco de um livro quando é capaz de parafraseá-lo nas suas próprias palavras;
  • No nível mais alto de leitura, você já é capaz de sintetizar os argumentos de vários livros;
  • Para tal, aborde cada livro dentro do processo "sintópico" ou comparativo: encontre as partes boas, defina os termos, desenvolva proposições, avalie as questões e analise os resultados.

"O livro é um tesouro de pistas e métodos de trabalho intelectual", um manual abrangente de técnicas de leitura" que associa "a profundidade da análise com a cobertura da extensão dos gêneros", afirma o professor José Monir Nassar, no texto introdutório a esta nova tradução, a terceira feita no país. As anteriores, esgotadas assim que publicadas, datam de 1990 e 2000, e mantiveram o título como no original: Como ler um livro.

É importante observar, no entanto, que, além da sutil alteração do título para Como ler livros, a leitura precisa ser atenciosa, porque aqui ou ali se pode encontrar uma escorregadela, como na p. 32, em que se lê "Os dois passos de leitura analítica aqui delineados podem ser encarados como uma espécie de antessala para a leitura analítica", quando, de acordo com o original, o correto seria, "Os dois estágios da leitura inspecional podem ser considerados...", como se pode ler na p. 46, da primeira edição revista e atualizada publicada pela Editora Guanabara, em 1990, e traduzida por Aulyde Soares Rodrigues.

Adler não começou nada do ovo, como diz o prefácio de José Monír Nasser, dado que a leitura é o instrumento central de qualquer estudo. A arte de ler, confundida com a arte de estudar, tem sido tema tradicional da vida intelectual cristã, centrada no estudo da Bíblia. São muitas as contribuições ao tema da leitura, mas só a partir de Mortimer Adler o assunto foi tratado sistematicamente e de maneira abrangente, válida para os principais gêneros. Adler idealizou uma matriz com quatro níveis de leitura na vertical (elementar, averiguativo ou inspecional, analítico e sintópico ou comparativa), de profundidade crescente, e com seis gêneros de leitura na horizontal (poesia, teatro, prosa, história, ciência e filosofia).

Com base no equacionamento dos diversos aspectos da arte da leitura na forma desta matriz que correlaciona profundidade com gêneros literários, Adler  dividiu o livro em seções independentes, primeiro explicando os quatro níveis de leitura, depois tratando de cada gênero individualmente, com recomendações judiciosas.

O livro é dividido em 4  partes:

  • AS DIMENSÕES DA LEITURA
  • O TERCEIRO NÍVEL DA LEITURA A LEITURA ANALÍTICA
  • COMO LER DIVERSOS ASSUNTOS
  • OS FINS ÚLTIMOS DA LEITURA

 

Na primeira parte do livro os autores dão detalhes sobre os 4 níveis de leitura:

Leitura Elementar - corresponde ao nível ensinado na escola primária. Leitura elementar ou rudimentar, sugere que a pessoa se alfabetizou, aprendeu os rudimentos de arte de ler e recebeu o treinamento básico para a leitura. A preocupação de quem lê nesse nível é com a linguagem em si, a decodificação da escrita, que com qualquer outra coisa. A pergunta que norteia esse nível é: "O que a frase diz?". Neste nível a leitura é somente básica e conotativa.

"Precisamos nos tornar uma nação de leitores ver­dadeira­mente competentes."

"O bom leitor lê ativamente, com concentração."

"O en­tendi­mento é apenas alcançado quando, além de saber o que um autor diz, você sabe o que ele quer dizer com isso e por que ele diz tal coisa."

 "Se (...) o leitor de um livro prático aceita o final proposto e concorda que os meios re­comen­da­dos são adequados e eficazes, ele deve, em seguida, agir da forma proposta."

 

Leitura Averiguativa ou Inspecional (também chamada de "pré-leitura", "investigação inicial" ou "garimpagem") - este nível é voltado para a melhor avaliação possível de um texto ou livro num período curto de tempo. Essa leitura pressupõe determinado período no qual temos de ler certos trechos para  extrair o máximo do livro; é a arte de folheá-lo sistematicamente, examinando sua superfície. Por exemplo, quando estamos de passagem por alguma livraria, vemos um livro que parece interessante e precisamos saber se ele é bom antes de decidirmos se vamos comprá-lo. Existem alguns bons macetes para isso, os quais são tratados em mais detalhes nesta parte. Por ora, basta saber que a pergunta básica deste nível é: "Este livro é sobre o quê?". Neste nível também devemos responder outras perguntas: "Qual é a estrutura do livro" ;  "Vale realmente a pena ler este livro?".

"Em geral, é desejável folhear mesmo aquele livro que você pretenda ler com pro­fun­di­dade, para ter uma ideia da sua forma e estrutura."

"Os bons livros estão acima do seu nível de con­hec­i­men­tos; se assim não o fossem, eles não seriam bons para você."

"As frases importantes são aquelas que exigem um esforço de interpretação, porque, à primeira vista, elas não são per­feita­mente inteligíveis."

"Leia um livro com olhos de raios-X; faz parte essencial da absorção de qualquer livro compreender a sua estrutura."

 

Leitura Analítica - é a leitura completa, a melhor que se pode fazer, ativa por excelência. No dizer de Adler, "se a leitura averiguativa ou inspecional é a melhor que se pode fazer num determinado período de tempo, então a leitura analítica é a melhor leitura possível quando não existe limite de tempo". Sendo aquele em que a atividade é mais complexa e sistemática, quando comparada aos anteriores; depende das dificuldades do livro a ser lido e pode exigir muito ou pouco do leitor; trata-se da leitura completa, a melhor possível num período de tempo ilimitado. Ela suscita muitas perguntas, segundo o tipo de livro que se tem em mãos (elencadas na Parte 2 do livro). É nível de leitura voltado basicamente para a compreensão, de modo que, se seu objetivo for apenas informação ou entretenimento, ele pode não ser necessário.

"Não há uma velocidade certa de leitura; o ideal é desenvolver a capacidade de ler em várias velocidades e saber quando cada velocidade é mais apropriada."

"Faça perguntas enquanto lê - perguntas que você mesmo deve tentar responder no decorrer da leitura."

 

Leitura Sintópica ou Comparativa - implica a leitura de muitos livros sobre certo tema, pondo-os em relação uns com os outros e com o tema. Estudantes de Ciências Humanas são obrigados a se familiarizar com ela. É o nível mais difícil de alcançar, e não há pleno acordo sobre suas regras, indo além da comparação, pois habilita o leitor a fazer uma análise que talvez não esteja em nenhum dos livros. É o nível mais ativo, trabalhoso e, portanto, o mais compensador de leitura. Porém, é também o mais recompensador de todos os níveis.

"O que é verdade para uma conversa normal é ainda mais verdadeiro na situação muito especial em que um livro conversa com um leitor e o leitor responde de forma apropriada."

"O leitor deve fazer mais do que emitir um parecer de concordância ou discordância. Ele deve dar motivos para tal."

Assim que tiver compilado uma seleção de livros que pareçam relevantes para responder a sua pergunta, submeta-os ao processo sintópico, ou comparativo, de cinco etapas:

  • Encontre as partes boas - O objetivo da leitura sintópica não é entender o livro inteiro. O objetivo é usar o livro para resolver o problema já definido ou responder a sua pergunta. Utilize a leitura de averiguação para identificar os trechos mais pertinentes à sua investigação.
  • Defina os termos - Os autores se­le­ciona­dos na sua bib­li­ografia podem utilizar palavras diferentes para conceitos semelhantes. Sintetize uma "ter­mi­nolo­gia neutra" que não seja específica de algum autor, mas que possa incorporar conceitos de qualquer um deles.
  • Desenvolva proposições - Faça o mesmo quando você identificar uma lista de proposições. Elabore proposições neutras que não venham de um único autor, mas para a qual cada autor possa contribuir com respostas.
  • Avalie as questões - Você pode delinear um problema sempre que identificar uma pergunta que diferentes autores respondam de maneiras diferentes. Mapeie e compare as dissonâncias.
  • Analise os resultados - Organize as questões e estipule como elas se relacionam entre si.

 

Veja também:

Aprenda a ler e ouvir para aprimoramento das suas comunicações -

Curso de Oratória: A arte de falar bem e fazer apresentações em público‐>http://bit.ly/1Ed6ZNl

Curso Técnicas de comunicação escrita para executivos‐>http://bit.ly/1EPNNA3

Curso Teatral para Não Atores‐>http://bit.ly/1MKdSsy

Curso Tecnicas de Apresentação: Falar para Liderar‐>http://bit.ly/1Hu5B4Y

Laboratório de Escrita Criativa‐>http://bit.ly/1hRs99R

 

 

5 hábitos para aumentar a sua produtividade

5hábitos

Esta antiga dica sobre como criar e cumprir uma Lista de Tarefas ainda funciona como um encanto e vai te ajudar muito


Em 1918, Charles M. Schwab era um dos homens mais ricos do mundo. Na época, ele era presidente da Bethlehem Steel, maior empresa de construção naval e a segunda maior produtora de aço dos Estados Unidos.

Procurando aumentar a eficiência do seu time de trabalho, Schwab decidiu ir atrás de alguém que pudesse melhorar a produtividade da sua equipe. Com isso em mente, ele agendou uma reunião com um respeitado consultor da época, Ivy Lee.

Lee era um homem de negócios que ficou conhecido por ter sido pioneiro na área de relações públicas. Quando Schwab lhe pediu ajuda, Lee respondeu: "me dê 15 minutos com cada um de seus funcionários".

Durante os 15 minutos com cada executivo, Lee explicou seu simples método para conseguir maior produtividade na empresa. Ele é pautado por cinco passos:

1.No final do dia, escreva as seis coisas mais importantes que você precisa fazer no dia seguinte. Não escreva mais do que seis.

2.Priorize as seis tarefas em ordem de importância

3.No dia seguinte, concentre-se apenas no primeiro item. Trabalhe em cima dele até que você o conclua.

4.Continue dessa forma com os demais itens. No final do dia, coloque as tarefas não finalizadas para a próxima lista e faça uma nova com outros seis afazeres.

5.Repita o processo durante todos os dias de trabalho.

A equipe de Schwab fez a tentativa de realizar o método. Depois de três meses de teste, Schwab ficou encantado com o progresso da sua empresa. Como um método tão simples pode ser tão efetivo? O primeiro motivo é o fato de ser tão simples que realmente funciona. Emergências podem aparecer e distrair as suas tarefas, mas é importante se lembrar de ignorá-las sempre que possível, tratá-las quando necessário e voltar à sua lista de afazeres o quanto antes. Isso significa usar regras simples para lidar com situações complexas.

Além disso, o método força as pessoas a fazerem escolhas e tira a tensão de iniciar uma tarefa, já que as pessoas decidem o primeiro item da lista uma noite antes de realizá-lo. Esta estratégia te deixa pensando no assunto de modo que não seja tão difícil executá-lo. Por fim, ele exige que você foque em uma única atividade. É quase impossível ser ótimo em uma atividade se você está sempre se dividindo entre várias ao mesmo tempo. A produtividade é alcançada quando se tem foco e consistência. Fazer a tarefa mais importante em primeiro lugar é uma forma de ser mais produtivo.

Fonte: revista Fast Company

Saiba mais

 

 

10 razões para fazer o upgrade gratuito para o Windows 10

Win10

 

É claro que também que pode haver boas razões para não fazer o upgrade. Mas veja, o Windows 10 é o melhor Windows lançado até agora e a maioria das pessoas deve aproveitar o upgrade gratuito enquanto ele ainda está disponível.

Veja a seguir mais detalhes:

1.          Experiência de desktop melhorada

Vamos ser honestos: a tela Iniciar pouco funcional e complicada do Windows 8 não era nada boa. Assim como a maneira como o Windows 8 escondia informações cruciais por trás de "charms" escondidos, que não tinham pistas na tela sobre como acessá-los. Mas você não precisa se preocupar com isso no Windows 10. O novo sistema pega as mesmas ideias principais do Windows 8, mas as torna palatáveis para o público desktop. Os apps da Windows Store ainda estão presentes, mas ficam janelas de desktop que podem ser redimensionadas e usadas como qualquer outra. O menu Iniciar está de volta, com uma seção pop-out que coloca Live Tiles com informações para um melhor uso - e sim, eles podem ser apagados caso você queira.

2.          Adições amigáveis aos entusiastas

Mais do que simplesmente ser familiar, o Windows 10 é melhor do que o Windows 7 para os entusiastas de PC. Isso porque a Microsoft fez um esforço para agradar aos aficionados por desktop. As ferramentas do Windows 10 variam de desktops virtuais a suporte melhorado para monitores de DPI alto e colar texto dentro do prompt de comandos. Recuperação fácil de versões de arquivos? Ferramentas melhores para gerenciamento de armazenamento? O Windows 10 tem tudo isso.

O sistema até fornece ferramentas para usuários mais experientes para as Windows Updates, te permitindo agendar que as atualizações sejam rodadas em um determinado horário ou distribuir patches na sua rede local usando tecnologia peer-to-peer. 

3.          Melhorias por baixo "da lataria"

Se você fizer a atualização do Windows 7 para o 10, ficará impressionado com como o novo sistema é rápido e moderno. O código do Windows 8 otimizado pela Microsoft resultou em um sistema que inicializa de forma muito rápida - especialmente se você tiver um SSD - e apenas é muito mais ágil. Essa é uma das muitas melhorias do Windows 8 que os usuários do Windows 7 poderão aproveitar no Windows 10.

4.          Proteção de segurança nativa

Isso é algo mais interessante para o usuário comum, do dia-a-dia do que os entusiastas mais aficionados por PCs. Mas o Windows 10 é inerentemente muito mais seguro do que o Windows 7. O mais recente sistema já vem com o programa de antivírus Windows Defender, da Microsoft, e com o Windows Firewall instalado e habilitado por padrão, o que dá um ganho de segurança para os computadores.

5.          Filtro SmartScreen

Mas a Microsoft não parou por aí. A exigência de UEFI Secure Boot do Windows 10 te protege contra rootkits de nível mais baixo que poderiam infectar o seu PC. O filtro SmartScreen faz a proteção contra sites maliciosos. E o Windows Hello torna a autenticação via biometria muito mais simples e fácil.

6.          Cortana

A resposta da Microsoft ao Siri, da Apple, e ao Google Now, substitui a funcionalidade básica de buscas no Windows 10, o que é ótimo. A assistente Cortana mistura bom humor com inteligência baseada na web que pode te ajudar a configurar lembretes e despertadores, ficar sabendo tudo sobre as notícias, navegar e operar seu sistema, rastrear pacotes, planejar viagens, e muito mais. Boa notícia: a Cortana vai ficar mais proativa e útil com a chegada do Update de Aniversário do Windows 10 em 2 de agosto.

7.          DirectX 12

A tecnologia poderosa de gráficos DirectX 12, da Microsoft, é exclusiva para aparelhos Windows 10. Os gamers de PCs devem achar que esse único recurso já vale o upgrade.

Ainda estamos nos dias iniciais da adoção do DirectX 12. A maioria dos jogos para PCs ainda são lançados em DirectX 11. Ainda não temos certeza do potencial total da API gráfica, mas implementações iniciais do DX12 em games tendem a resultar em experiências mais suaves e taxas de frames mais altas no geral.

8.          Apps Windows universais

Mas o DirectX 12 chegou ao Xbox One. Isso porque o console da Microsoft roda o Windows 10 por baixo "da lataria", e todos os aparelhos Windows 10 podem rodar apps Windows universais. Um recurso muito legal é a compatibilidade entre aparelhos do novo recurso Xbox Play Anywhere, que te permite comprar um game uma vez e jogá-lo tanto no Windows 10 e no Xbox One, assim como transferir saves e jogar games multijogos em duas plataformas.

9.          É gratuito!

O upgrade é gratuito até 29 de julho de 2016. Se você está considerando atualizar para o Windows 10 em algum ponto do futuro, agora é a hora de fazer isso. Apenas certifique-se do que estará dando em troca.

10.       Só vai melhorar

A Microsoft não está descansando nos louros agora que o Windows 10 está no mercado há quase um ano. Uma grande Atualização de Aniversário do Windows 10 tem lançamento marcado para 2 de agosto, quando vai trazer diversos novos recursos e soluções para bugs.

Fonte: PC World / EUA / idgnow.com.br

 

Sete hábitos de 5 minutos ( de milionários ) que poderão te ajudar a enriquecer

5 minutes

 

"Habitos ditam o quão bem sucedido  ou não você será em sua vida" escreve  Thomas C. Corley  que passou 5 anos pesquisando os hábitos de 177 pessoas bem sucedidas. A seguir são destacados 7 deles:

 

1.   Escreva metas específicas para o seu dinheiro

 

Se você quer começar a acumular patrimônio, precisa tomar atitude. Comece escrevendo metas específicas para suas receitas e seu patrimônio. Estabeleça objetivos para poupar e investir seu dinheiro. Esse é o conselho do milionário que construiu seu próprio patrimônio.

 

Se você quer começar a acumular riqueza, você precisa tomar medidas concretas e objetivas.. Comece por escrever as metas específicas para o seu rendimento anual e patrimônio líquido, diz o  self-made milionário T. Harv Eker autor do  livro  " Segredos da Mente Milionária".

 

"Sua intenção deve ser a criação de abundância, não mediocridade", explica ele, por isso  você deve ser realista ao definir um prazo para atingir estes objetivos, não tenha medo de pensar grande e desafiar a si mesmo.

 

"A razão número um de a maioria das pessoas não conseguirem o que querem é que eles não sabem o que querem.", ele escreve. "As pessoas ricas são totalmente claras no que querem em termos de riqueza."

 

2.   Crie o hábito de distribuir seus cartões para as pessoas certas

 

"Einstein disse que a consciência é contagiosa", escreve o self-made milionário Steve Siebold. "Se você quer ficar rico, você precisa começar a se associar com outras pessoas ricas, mas isso não significa descartar seus amigos por causa de seus patrimônios líquidos serem baixos".

 

Pense desta forma: "Se você quer se tornar atleta, você deve se cercar de pessoas que vivem em forma. Se você estiver interessado em religião, você deve se relacionar mais com as pessoas na igreja", explica ele. "Então, se você quiser se tornar rico, procure ficar em torno de outras pessoas ricas e aprender com eles."

 

 

3.   Otimize seus investimentos

 

"O medo de críticas é a razão para não buscar feedback de outras pessoas", escreve Thomas C. Corley. "Mas o feedback é essencial para aprender o que está funcionando e o que não está funcionando. O feedback ajuda a entender se você está no caminho certo. Ouvir críticas, boas ou mas,  é um elemento crucial para a aprendizagem e crescimento."

 

Além disso, ela permite você mudar e buscar um novo rumo experimentando uma nova carreira ou negócio. "Os milionários mais bem sucedidos testam novos empreendimentos antes que mergulharem de cabeça", explica Corley. "O feedback prévio te oferece a informação que você precisa para ter sucesso em qualquer empreendimento."

 

4.   Faça uma lista do que não fazer

 

Pessoas ricas fazem listas diárias com coisas que não querem fazer, seja por serem hábitos ruins, ou por ser desperdício de tempo. Uma lista como essa incluiria itens como "não ver mais de uma hora de televisão hoje", ou "não fazer compras impulsivas". Essas listas são importantes para evitar maus hábitos, aponta Corley.

 

"Fazer listas por si só não fará de você um sucesso", explica Corley. "Embora seja importante para organizar as coisas, é igualmente importante para evitar fazer coisas que podem vir a comprometer todos os benefícios de uma lista de coisas boas a fazer."

 

5.   Faça ligações telefônicas de cinco minutos

 

De acordo com a pesquisa de Corley, 80% das pessoas ricas fazem ligações curtas para desejar parabéns, conversar rapidamente ou felicitar por alguma conquista, contra porcentagens muito menores para pessoas com menos recursos. Os pequenos detalhes importam, relata Corley, e ajudam a construir relacionamentos com outras pessoas de sucesso.

 

Cinco minutos ao telefone pode ser um longo tempo. De acordo com a pesquisa de Corley, 80% das pessoas ricas tem o habito de fazer chamadas para desejar feliz aniversário, conversar rapidamente ou felicitar por alguma conquista, em comparação com 11%, 26% e 3% das pessoas menos abonadas, respectivamente. Os pequenos detalhes são importantes, Corley enfatiza. Eles permitem você construir relacionamentos com outras pessoas de sucesso, um hábito pedra angular de pessoas ricas. "Reunir o máximo de informações que puder sobre seus relacionamentos", ele escreve. "Quanto mais você sabe sobre as pessoas que você se envolver, mais munição   você terá em seu arsenal para ajudá-lo na comunicação eficaz com eles."

 

6.   Em vez de dizer "este / ou aquele", comece a dizer 'ambos'

 

"Conserve a  prática de pensar e criar maneiras de ter 'o todo'", escreve Eker. "Sempre que duas alternativas são apresentadas a você, pergunte-se: 'Como posso ter os dois? '" As pessoas ricas nunca dizem "este / ou aquele" - eles dizem "ambos", porque sabem que você pode ter tudo.". "Vale pensar e verificar que os menos ricos tendem  a escolher  os outros aspectos da vida ao invés do dinheiro. Por isso eles frequentemente estão em  uma posição em que o dinheiro não é tão importante quanto outras coisas."

 

7.   Diga a você mesmo que merece ser rico

 

Steve Siebold, comenta que as pessoas comuns acreditam que ser rico é um privilégio de apenas algumas pessoas de sorte. Mas a verdade é, em um país capitalista, que você tem todo direito de ser rico se está disposto a criar valor para outras pessoas. Comece se perguntando: "por que não eu?". Depois, comece a pensar grande.

 

 

 

Fonte: http://www.businessinsider.com/

      Autor: Kathleen Elkins

 

12 cursos gratuitos para seu Desenvolvimento Pessoal e Profissional

10DicasGrupoTreinar

Selecionamos  12 cursos gratuitos para aprimorar seu desenvolvimento pessoal e profissional,  por meio da plataforma de ensino on-line Coursera.  

 

Confira a seguir cada um dos cursos e faça sua inscrição:

Aprendendo a Aprender: poderosas ferramentas mentais para ajudá-lo a dominar temas complexos-> http://bit.ly/1ODyJKX

Negociações de sucesso: estratégias e habilidades essenciais-> http://bit.ly/255xq0N

Fundamentos das Práticas de Ensino para a Aprendizagem 1: Introdução-> http://bit.ly/1rYMejm

 Fundamentos das Práticas de Ensino para a Aprendizagem 2: Ser um Educador-> http://bit.ly/1XnL10U

Fundamentos do Google para o Ensino-> http://bit.ly/1W6fa5C

Organize-se: como ser um professor equilibrado-> http://bit.ly/22i4SiY

Gerenciamento de Projetos: O Essencial para o Sucesso-> http://bit.ly/25dvlmZ

O Empreendedorismo e as Competências do Empreendedor->http://bit.ly/1WGpBwQ

Introdução ao Marketing Analítico->http://bit.ly/1WGkZau

Mais eficiência, menos trabalho: Gestão do tempo e a melhora da produtividade pessoal & profissional->http://bit.ly/1U4IvXU

A complexidade sensível: Um paralelo entre videogames e arte->http://bit.ly/1Tjv8ZL

Como funcionam as coisas->

http://bit.ly/1NBUaRE

 

 

 

 

Como analisar a concorrência de forma eficaz?

Marketing & Vendas

Analisar a concorrência é uma das nossas atividades mais apaixonantes e imagino que deve ser uma de suas preocupações também. É uma das maneiras mais baratas para inspirar diferentes áreas do seu negócio a pensarem em diferentes formas de organização.  

Saber o que seus concorrentes executam bem ou executam mal é essencial para adaptar suas táticas e suas estratégias, pois é extremamente importante capturar as tendências e saber em primeira mão para onde vão as transições que ocorrem no mercado.

O grande problema aqui é como analisar a competição sem perder o foco e saber  fazer isso de forma eficaz.

Veja que analise de concorrência poderá ser um processo ( se ainda não for)  na sua empresa e, portanto devemos concebê-lo sob a ótica de aumento de produtividade.

Hoje, quando se fala de produtividade sempre vem 'a mente a palavra LEAN.

 

Lean pode traduzido em Português como "Enxuta" (por exemplo, manufatura enxuta) é uma forma de organizar seus negócios para que toda a perda nos processos seja eliminada ou pelo menos fortemente reduzida. Existe uma confusão comum do termo Lean com Seis Sigma, 5S, JIT, entre outros, mas estas são todas metodologias e ferramentas que podem ser usadas ao implementar uma cultura Lean.

 

Em Lean, perda é tudo aquilo em um processo que não agrega valor. Por exemplo, o tempo que um documento está na mesa de alguém aguardando alguma ação, estoque acumulado que não será usado no curto prazo, produto terminado aguardando liberação de saída.

 

Se você fizer uma avaliação de qualquer processo na maioria das empresas, verá que a maior parte do tempo não se está agregando valor na atividade. Frequentemente você verá que os tempos de espera são muito maiores do que os tempos nos quais alguém realmente está executando o próximo passo naquele processo.

 

Existem dois cuidados principais que devem ser tomados ao transformar sua empresa em Lean:

  • A iniciativa deve estar ligada às necessidades de seu negócio. Implementar Lean só porque está na moda não trará benefícios reais. Se você não consegue fazer uma forte associação entre os possíveis ganhos obtidos com Lean e sua estratégia de negócio, provavelmente deveria esperar mais. Em nosso caso é evidente que analisar a concorrência é vital para o saber como anda o nosso negócio.

 

  • O Lean se popularizou inicialmente na área de manufatura, já que o conceito foi desenvolvido pela Toyota, no Sistema Toyota de Produção. No entanto, considero ser uma visão míope em pensar que esta iniciativa pode ficar restrita somente à produção, já que neste caso os ganhos ficarão muito restritos. Lean deve ser aplicado em toda a empresa.  Portanto pensar Lean ou Lean Thinking é a palavra de ordem e hoje existe na maioria dos textos voltados para a administração, mas como é isto na prática?

 

 

Como aplicar no estudo da concorrência?

 

Para se responder estas questões é interessante conhecer as metodologias envolvidas sendo que uma das principais delas é a Lean Six Sigma, que por sua vez incorpora uma framework denominada o DMAIC (sigla para os termos Define, Measure, Analyse, Improve e Control) que é um método que  faz parte do conjunto de práticas dos Seis Sigmas e tem como meta melhorar um processo existente na empresa. Um projeto DMAIC é efetivo também para o aumento da produtividade, redução de custos, melhoria em processos administrativos e outros afins. Assim adotamos estes principais passos para analisar a competição de forma sistemática e objetiva. No texto a seguir iremos propor um Plano de Ação inicial com foco na Definição (Define), Mensuração (Measure) e Análise(Analyse) pois entendemos que as melhorias (Improve) e os Controles(Control) irão depender destas 3 etapas iniciais e principalmente do contexto específico da sua organização.

 

Onde temos:

 

Define "D" (Definir)

 

Analisar a concorrência sem perder o foco

 

Analisar a concorrência é basicamente observar. Monitorar seus movimentos e ações, principalmente para tirar conclusões sobre o observado.

O processo de análise da concorrência deve ser eficaz. Isto requer que se esteja  bem estruturado e sua empresa devidamente automatizada.

Eu digo isso porque é muito comum as empresas começarem com grande entusiasmo para seguir a atividade de seus concorrentes diretos, para   depois de alguns meses abandonarem a tarefa, simplesmente por falta de tempo ou falta de um sistema bem estruturado de monitoramento da concorrência.

 

Cerca de 90% das organizações abandonam o trabalho de monitoramento dos concorrentes  por falta de tempo

 

Considere criar algumas questões-chave  quando se analisa um concorrente. Se não definirmos exatamente o que desejamos monitorar e analisar poderemos correr um risco enorme de capturar grande quantidade de dados e perdermos muito tempo analisando informações irrelevantes, principalmente sob a ótica de agregação de valor ao cliente final.

A solução para isso é   adotar os seguintes passos:

  • Decidir analisar um concorrente e o que analisar
  • Selecionar uma ferramenta adequada
  • Realizar a observação

Embora o processo não seja totalmente simples e  ausente de complexidade você deve começa-lo de alguma maneira utilizando-se dos recursos disponíveis. Senão, a outra solução é optar por contratar um serviço de monitoramento de concorrentes.

A vantagem da terceirização é a velocidade com a qual você pode configurar o seu sistema de rastreamento e poupar muita dor de cabeça nessa ou naquela ferramenta e escolher como e quando realizar o trabalho de observação.

Você ainda pode fazer suas estas tarefas, seguindo estas três etapas:

 

Etapa # 1: decidir o que analisar  da concorrência e quem deve ser analisado

 

Embora a Internet  torne tudo mais fácil, para analisar a concorrência de forma eficaz você deve primeiro decidir o que você vai observar, seguir ou monitorar,  através de critérios mensuráveis. Observe que na prática isso varia muito, dependendo de seus objetivos e do departamento onde você está, e tenha em conta que não é o mesmo que acompanhar a evolução dos indicadores financeiros de uma empresa. É importante observar a evolução do marketing ou KPI de vendas.

Para evitar que você tenha  que pensar muito sobre isso para analisar a concorrência veja a seguir uma compilação de indicadores-chave da competição que você pode seguir.

Neste resumo você vai encontrar 29 indicadores de KPI nas   áreas de Finanças, Marketing, Vendas, Inovação e Recursos Humanos.

Claro que aqui eles não são todos os indicadores chave para cada área, mas com certeza o ajudará a começar e vai definir o seu próprio scorecard.

 

Measure "M" (Medir )

 

Etapa # 2: Selecionar a ferramenta para analisar a concorrência

 

Este é o passo que, provavelmente, ira encontrar mais problemas e isso é por causa do número de ferramentas disponíveis e variedade de recursos.

Não é o mesmo que monitorar suas campanhas do AdWords, monitorar concorrentes  tentando seguir o seu conteúdo na web ou determinar o número de ligações recebidas de um concorrente. Veja que  estamos apenas falando  em princípios básicos de marketing digital!

 

Você tem a seguir 3 links com referências para sites onde poderá encontrar mais dicas:

 

 

 

Analyse "A" (Analisar)

 

Etapa # 3: Analisar  sistematicamente a competição  existente no mercado para testar continuamente o seu negócio

 

Depois de ter decidido o que você estará observando, e com quais ferramentas irá desenvolver seus acompanhamentos, é que você poderá realizar o trabalho de monitoramento. Note que este trabalho é estar ciente das alterações detectadas pela sua ferramenta para acompanhar e analisar o impacto das ações de seus concorrentes, com dois objetivos:

 

  • Descobrir as estratégias de seus principais concorrentes
  • Descobrir o que funciona para eles e o que não funciona, para assim tomar decisões mais precisas

 

Seguir os passos de seus concorrentes simplesmente para satisfazer o seu desejo ou curiosidade ou descobrir um fato que de margem para fofocas é bom, mas não o suficiente. Monitorar as atividades dos outros deve servir para aprender com seus sucessos e erros e testar continuamente sua empresa ou negócio

Analisar a concorrência é entender em que e como um concorrente tem sido bem sucedido  ou não,  absorver o conhecimento gerado por outras pessoas e evitar que você cometa as falhas expostas por eles ou,  por outro lado, aprender com eles sobre suas estratégias vencedoras.

 

Fontes: papelesdeinteligencia.com; citisystems.com.br; ogerente.com

Veja também Curso Tecnicas de Vendas e Negociação de Projetos Empresariais>http://bit.ly/1JRtJ7m

 

 

Design Thinking ajuda a ganhar agilidade

 

 DesingThinkingPDCA

 

É uma boa opção para otimizar processos e ampliar os resultados

Em uma definição objetiva, Design Thinking é um conjunto de métodos e processos focados em pessoas direcionados para a solução colaborativa de problemas. Trata-se de uma abordagem cada vez mais recorrente no mercado, principalmente nas empresas mais inovadoras. Mas, na prática, como adotar a metodologia e conduzir as empresas para a era da inovação?

 

O primeiro passo é ter equipes multidisciplinares, formadas por pessoas de diferentes áreas de negócios, que conheçam bem os processos internos da empresa. Estabelecer comitês de inovação pode ser um ótimo início, que deve ser considerado do estímulo à ampla participação dos colaboradores, pois mentes criativas não devem se restringir a departamentos de pesquisa e desenvolvimento. Estimular a geração de ideias utilizando a participação nos resultados é uma forma de fazer o colaborador ser parte dos diferenciais de sua empresa.

Entre os principais benefícios do Design Thinking vale destacar os seguintes:velocidade para implementar novas ideias,assertividade na criação de novos produtos e serviços,suporte para manter diferenciais competitivos,prototipação, que mitiga riscos e direciona melhor esforços e investimentos,estruturação de equipes multidisciplinares colaborativas que agregam experiências complementares. As empresas que operam com Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), por exemplo, podem utilizar recursos colaborativos para conceber projetos, incluindo a participação ativa da área de negócios na solução, e não somente no entendimento dos requisitos.

 

Em termos mundiais, o Design Thinking tem sido muito utilizado porstartups. Porém, o aumento da competitividade em escala mundial está forçando também empresas de grande porte a absorverem esta metodologia para ampliar a interação com seus públicos, inclusive com os seus próprios colaboradores.

No Brasil, essa metodologia é encontrada nas empresas mais inovadoras, e também no setor financeiro, com bons resultados para a concepção de novos produtos e serviços. Além disso, algumas seguradoras também têm feito bom uso da abordagem. Com a atual conjuntura econômica, é vital criar diferenciais competitivos e investir em inovação, elementos que colocam as empresas à frente dos concorrentes.

O maior desafio organizacional está na forma tradicional de realizar novos projetos, pois o desenvolvimento de muitas empresas ainda está baseado em escutar o que é necessário ser feito e, só assim, definir uma solução. O Design Thinking, ao contrário, estimula interações e cria projetos de rápida implementação. No desenvolvimento de um software, por exemplo, é possível contar com metodologias ágeis para evoluir protótipos de alta fidelidade.

Na era digital, todas as empresas precisam de agilidade para atender seus clientes, ideias precisam ser colocadas em prática rapidamente. Já que os modelos de negócios estão mudando para formatos colaborativos e digitais, o planejamento das empresas tem que seguir esse formato. Com isso, sem dúvida, o Design Thinking é a melhor opção para otimizar processos e ampliar os resultados.

 

Autor: Roberto Aran  ( Head de Produtos e Inovação da Resource IT )

Fonte: cio.com.br

Como projetos criativos podem melhorar o nosso desempenho em tudo

feliz8020

 

Tendo em vista que a cada início de ano todos pensamos em uma forma de nos posicionar melhor, alinhados com o futuro, é natural irmos atrás de estudos e pesquisas focados nas principais tendências.

 

Desta forma me deparei com uma notícia citando uma previsão da consultoria Gartner indicando que 38% das empresas no mundo vão parar de fornecer celulares e notebooks a seus funcionários neste ano. O motivo?  Já foi o tempo em que os equipamentos fornecidos pelo empregador eram superiores aos que se tinha em casa. As pessoas, agora, querem usar seus próprios equipamentos no trabalho, até porque já estão muito familiarizados com eles e principalmente já estão configurados de acordo com as preferências pessoais de cada um. Segundo o Gartner, até o ano que vem metade das companhias vai a requerer que os funcionários façam isso, o que era visto com desconfiança até pouco tempo atrás. A tecnologia nunca foi tão pessoal como agora.

 

Por outro  lado  você já deve ter ouvido falar da regra dos 20% do Google. De acordo com ela, funcionários da empresa podem gastar 20% de seu tempo cuidando de projetos pessoais de qualquer área. O resultado? Trabalhadores mais engajados, mais produtivos, criativos, e mais eficientes.

Caso você trabalhe com Tecnologia da Informação ( veja principais tendências a seguir ) ou goste de algo relacionado, que tal pensar em um projeto pessoal e inovador transformando seu Projeto Pessoal  em algo lucrativo?

Segundo um outro estudo conduzido pela Spring Work e publicado em seu premiado  site de investigação científica sobre como funciona a mente,  o efeito psicológico positivo de projetos  criativos torna maior e melhor o desempenho no trabalho, além de seus adeptos terem mais chances de serem colaborativos e prestativos.  Mostrou também que em casa são pessoas mais relaxadas e controladas. Segundo especialistas, contribui muito ainda se o foco escolhido tiver alinhado com suas afinidades e ofereça desafios pessoais e não servindo apenas como um escape ou uma distração. Daí ser extremamente importante também conhecer mais sobre si mesmo - autodiagnostico - e as principais tendências de mercado.

Hiut Denim Co, em um post no site  Medium  explica seu processo de pensamento por trás de projetos paralelos, que foram extremamente impactantes sobre as carreiras dos co-fundadores do Hiut. Eles acreditam que projetos paralelos devam seguir três regras:

  • Seu projeto não pode ser seu ganha pão. Se você falhar, não vai ficar sem comer.
  • Seu projeto não tem prazos. E como não há pressão com o tempo, você não precisa usar a mesma fórmula de sempre. Você tenta coisas novas, testa e assume riscos.
  • É um trabalho de amor. Você fornece o trabalho e o amor. Então quando você estiver trabalhando no seu projeto, é porque você quer. É isso que vai te fazer continuar voltando ao projeto e persistindo nele.  

Resumindo: procure uma atividade que não arrisque seu ganha-pão, procure não se sentir pressionado e  sim trabalhe nela porque gosta. Você pode  agregar  um projeto pessoal - algo que seja uma ideia específica na qual você vai trabalhar para colocar em prática e tentar trabalhar nela como um hobby criativo, juntando o útil ao agradável. É importante que a atividade seja um desafio pessoal e que você possa estabelecer metas que devem serem alcançadas (mantendo sempre, é claro, o olho nas regras citadas acima ).

Para ajudar na busca do foco estratégico relaciono a seguir a lista das dez tendências tecnológicas do site Valor para este ano: internet das coisas, cidades inteligentes,  inteligência artificial, realidade virtual, drones,  computadores híbridos, dinheiro digital, Blockchain, múltiplas telas e leis da web.

Uma das tendências citadas acima é a internet das coisas - a conexão de equipamentos a partir de sensores - mostra a influência crescente das pessoas no ambiente de inovação.

A previsão do Gartner é de 6,4 bilhões de aparelhos estejam interconectados até o final do ano. Ao se concentrar no indivíduo, a tecnologia fica mais amigável. Por exemplo, para as crianças parece inconcebível que uma tela não seja sensível ao toque, pois elas aprendem de maneira intuitiva a usar aplicativos e navegar na internet.  

Para saber mais sobre estas tendências e o setor de TI no Brasil acesse o seguinte artigo publicado no IT Forum 365.

E agora: Quais são seus hobbies criativos e projetos paralelos?

Encontre algo que é de baixo risco, de baixa pressão e um trabalho que  realmente goste de fazer e você encontrou seu projeto pessoal para este ano.

 

Fontes:

The Next Web

Spring

PsyBlog

Valor

MBI

Veja também:

Curso Técnicas de Vendas e Negociação de Projetos Empresariais