Arquivo da tag: recursos humanos

6 maneiras rápidas de evoluir em seu trabalho

WorkingIndentity

 

No ambiente de recursos limitados de hoje, muitos de nós está entregando 120% sobre as atuais exigências do nosso trabalho - mas dedicando pouco tempo para nos desenvolver mais ou nos posicionando para um movimento futuro. Como um dos meus alunos de MBA Executivo recentemente me disse: "Eu sei que eu tenho que cavar mais tempo para pensar estrategicamente sobre o meu negócio, mas todos os meus colegas estão se empenhando e eu não quero ficar para trás."
 
Mas simplesmente se conectando ao longo de nossas funções atuais é mais perigoso do que parece. O ambiente de negócios muda rapidamente e às vezes de forma imprevisível e, se não mudar junto com ele, corremos o risco de nos tornarmos irrelevantes.

Se você é ambicioso, mas o seu trabalho lhe oferece poucas oportunidades para exploração e crescimento, o que você pode fazer para desenvolver novas habilidades?

Abaixo estão seis dicas que saíram de uma conversa com os meus executivos do MBA:
 
1. Mantenha-se alerta e em sintonia com o seu ambiente.  Aqueles que querem se desenvolver devem criar oportunidades. Isso significa começar a entender como a sua organização funciona, como se ganha dinheiro e quais são suas 'pessoas-chave`. Este é um pré-requisito óbvio para descobrir como você pode mudar o seu próprio trabalho na direção do que realmente importa. Nós não fazemos isso a maior parte por causa do hábito e da inércia. Estar atento ao exterior é trabalho não estruturado - networking, andar pelos corredores, ir almoçar - nós nem sabemos por onde começar. Valorize isso tanto quanto as reuniões e e-mails necessários. A recompensa virá no longo prazo.
 
2. Crie uma folga na sua agenda. Novas formas de trabalho exigem um recurso precioso e escasso - tempo. Como o maravilhoso novo livro Scarcity aponta, quando estamos nos empenhando, é difícil perguntar: "Será que estou focando nas coisas certas?". Algumas empresas têm permitido aos seus empregados usar até 20% dos seu tempo para trabalhar em seus projetos pessoais, mas eu não conheço nenhuma empresa que ajuda os líderes a liberarem seu tempo para trabalhar no limite de seus trabalhos. Em vez disso, uma vez que as pessoas têm responsabilidades de liderança, o calendário fica abarrotado com mais e mais reuniões e viagens. Um de meus alunos deu um grande conselho para seus colegas de classe. Ela disse: "Nós todos conseguimos fazer tempo para os nossos MBAs executivos, enquanto ainda está fazendo nossos trabalhos do dia. Quando o programa terminar, não deixe que o trabalho do dia reabsorver o tempo de aprendizagem. Mantenha o tempo para evoluir o seu trabalho. "

3. Cadastre-se num projeto fora da sua área principal. Todas as empresas têm projetos que atravessam as linhas de negócios, níveis hierárquicos e especialidades funcionais. Saiba quais são e, talvez mais importante, quem está envolvido. Obtendo experiência em todas as linhas de negócios é uma escolha melhor do que aprofundar ainda mais a sua base de competências dentro de uma competência. As novas habilidades, uma perspectiva mais abrangente, as conexões extra grupo e as ideias sobre os movimentos futuros que os projetos podem trazer são um investimento muito válido. Um dos meus alunos se inscreveu para um projeto sobre repensar as melhores práticas de liderança em sua empresa. Para ele, o projeto foi um salto entre executar uma série pré-definida de tarefas para influenciar uma organização e ajudar ela a ultrapassar barreiras. Isso o ajudou a descobrir tanto um interesse em consultoria quanto se mover a uma posição de consultoria dois anos depois.

4. Faça a estratégia do seu dia, não importa o seu cargo. A maioria das pessoas gostaria de ter uma abordagem mais estratégica para o seu trabalho, mas não o fazem porque não sabem o que fazer estratégia realmente significa. Planejamento (e execução) é sobre "como" você faz o que foi designado. Estratégia é sobre perguntar "o que" nós deveríamos estar fazendo - descobrir quais os problemas que a empresa deve estar enfrentando, sentir o que está acontecendo no mundo e aprender como aplicar no seu negócio. Localize e siga a opinião dos líderes na sua área, leia os clássicos, resgate o seu Michael Porter. Uma de minhas alunas me contou que ela treina a si mesma no pensamento estratégico acompanhando os eventos e novidades de negócios, economia e política e forçando a pensar sobre "o que eles representam para meu negócio, empresa ou indústria, tanto agora quanto no futuro". Gaste menos tempo resolvendo problemas e mais tempo definindo quais são os problemas que o grupo deveria estar resolvendo.

5. Expanda a sua contribuição de fora para dentro. Quando um novo projeto simplesmente não está disponível, procure papeis para desempenhar fora do seu grupo ou organização que lhe permitam aprender e praticar novas habilidades e melhorar o seu perfil. Ensine, fale ou faça um blog sobre temas relacionados com os seus interesses. Um dos meus alunos, por exemplo, procura oportunidades para falar em conferências sobre temas relacionados com a sua experiência. Ele recentemente deu uma palestra em sua empresa sobre a vida na Nigéria, mostrando um filme sobre a vida cotidiana em Lagos, seguido por uma sessão de perguntas e respostas com potenciais candidatos à expatriação. Essas atividades têm sido ainda mais interessantes do que o previsto. Ele me disse: "eu achei que a construção de uma marca pessoal aumenta as chances de obter propostas para participação em iniciativas estratégicas e sair do seu trabalho cotidiano por um tempo".
 
Vá a encontros profissionais e se reúna com pessoas de diferentes empresas. E, se não houver algo lá fora que atenda às suas necessidades, crie seu próprio encontro. Por exemplo, uma gerente setorial de um e-commerce decidiu esticar suas habilidades através da formação e liderança de uma comunidade de especialistas em marketing de diferentes organizações.

6. Aprenda a delegar de uma vez por todas. Gestores que avançam em suas carreiras primam pela excelência no trabalho operacional ao continuar fazendo o trabalho operacional muito tempo depois eles poderiam delegar essas tarefas a outras pessoas. Um dos meus alunos, um CFO empresa de médio porte, me disse que a cada temporada orçamentária ele pessoalmente passa por todos os orçamentos para identificar ineficiências. Depois de uma discussão sobre liberação de tempo, ele marcou calls com seus CFOs e GMs (NT. general managers = gerentes gerais) de todo o país, convidando-os a encontrar uma melhor eficiência. Como ele observou, "isso exigiu um afastamento do meu comportamento original e também algum risco, mas funcionou, e limpou 20% do meu dia".
 
Muitos de nós tentamos nos posicionar para a próxima atribuição nos perguntando: "Como eu posso fazer o que eu faço melhor?" o que nos deixa pouco tempo para perguntar: "O que mais eu poderia fazer?" Somente quando nós crescemos o nosso trabalho nós temos uma boa chance de obter o próximo. Eu realmente gostaria de ouvir de você sobre as maneiras que você encontrou para crescer o seu trabalho.

Autor: Hermínia Ibarra (No thinkers50.com a cada 2 anos são eleitos os 50 pensadores contemporâneos com maior influência mundial em negócios e ‪‎Hermínia Ibarra é um deles).


Publicado originalmente em hbr.org e www.herminiaibarra.com. Tradução livre.

Imagem: Harvard Business School Press

 FastSalas.com

Acesse->        fastsalas.com

Coaching: Ferramenta Estratégica para Obtenção de Resultados

CoachingI4pro

Em vários momentos nos encontramos em encruzilhadas. É comum nos depararmos com o não saber, pois em vários aspectos, desconhecemos o que há por vir além do fim, e ao nos depararmos com o vazio, com o não-saber, também nos deparamos com o não ser, não nos reconhecermos perante aquilo que já conhecíamos de nós.

Passamos por diversas etapas até entendermos e respeitarmos estas mudanças que acontecem conosco e elas levam normalmente muito tempo. Precisamos daquele estalo, daquele "insight" que irá nos mover mais próximos do caminho que consideramos o melhor naquela circunstância. Mas até lá, já seguimos conselhos de todos, pois é muito mais fácil ouvir a voz alheia que a nossa própria voz interna. Oras, os outros sempre falarão mais alto que a gente! Mesmo quando efeitos completamente perceptíveis que damos a nós mesmos aparecem (como dores psicossomáticas, auto-sabotagens, atos-falhos, entre outros), ainda assim confiamos mais nos padres, rabinos, chefes, família. Não que eles não estejam preocupados com o seu bem estar! Muito pelo contrário! Mas o quanto eles realmente estão cientes de todas as variáveis que você tem ciência para resolver o seu problema? O quanto você precisa explicar para que eles consigam não colocar seus julgamentos a mostra, e para que eles consigam realmente entender o que você está passando, ou o que é a melhor forma para agir?

Neste sentido, poderíamos pensar na psicoterapia como ferramenta interessante. O psicólogo jamais irá realizar um juízo de valor sobre você; ele irá te acompanhar para o caminho saudável, te ajudar quando o sofrimento aperta e você não sabe para onde correr. Ele irá criar um ambiente seguro, para que você possa contar a si mesmo (mais que para ele, com certeza), tudo o que vem passando, e dessa forma limpar-se de um mundo exterior que muitas vezes é corrosivo aos seus sonhos e expectativas no mundo. Mas a psicoterapia tem limites. Se a mudança que você está passando não lhe causa sofrimento, ou você ainda planeja mudar, a psicoterapia não acelerará os resultados que você deseja buscar. Mesmo a psicoterapia breve pode não ser efetiva caso a intenção é focar no resultado em menos tempo. Já o coaching, é outra história.

O coaching é uma ferramenta de aceleração de resultados, com a qual você pode trabalhar um aspecto mais profundamente e onde o sofrimento pela mudança é transformado em força. Não é à toa que é uma ferramenta poderosa nas empresas, pois direciona o cliente a chegar onde precisa, segundo o que percebe que seria interessante! O coaching é uma ferramenta que organiza pensamentos difusos sobre temas específicos e reforça os comportamentos positivos para se chegar no resultado esperado. É um processo de curta duração, extremamente intenso e os resultados são bastante observáveis através de entregas de tarefas semanais/quinzenais/mensais. É algo imprescindível quando queremos fazer algo que precisa de um empurrãozinho, mas que não sabemos como fazê-lo.

Sem dúvida, é uma forma de cuidar-se e de se melhorar. O coaching pode inclusive ser utilizado para questões pessoais, onde o trabalho é mais focado em obtenção de resultados em problemas mais intrínsecos, além de carreira. Às vezes, a solução de alguns problemas estão logo abaixo do nariz; não são complicados, mas precisamos perceber o quanto são importantes para seguirmos em frente. Através de técnicas reflexivas e respeito que um coach pode demonstrar a você sobre sua história e suas decisões, é comum que nos sintamos mais fortes para limpar os esqueletos do armário.

A mim, esta ferramenta tem sido bárbara para obtenção de resultados próprios. Já pensou o que ela poderia fazer por você?

Autor: Mariana Ghetle

Human Resources Manager at I4Pro

Fonte:http://ow.ly/DSKuk

 

 

 

Veja também: Acerte na Estratégia!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As seis principais habilidades em Big Data que as empresas precisam

Sol e Terra

O número de empregos relacionados com Big Data está crescendo a cada dia na medida em que mais e mais empresas se tornam conscientes dos benefícios da coleta de dados e de sua análise.  O resultado deste trabalho pode influir sobre a rentabilidade das organizações, dizem muitos executivos de negócios.

Muitos desses trabalhos são oferecidos com atraentes salários, e para qualquer pessoa que esteja interessada em dados e análises poderá ser uma carreira extremamente gratificante. A demanda é crescente, de modo a configurá-la  como uma carreira à prova de futuro.

A pergunta que recebo muito é:

Quais são as competências-chave necessárias?

Meus clientes estão me fazendo esta pergunta para que eles possam selecionar os candidatos certos para as funções cruciais de dados centralizados em suas organizações. Os estudantes e profissionais de dados me fazem as mesmas perguntas para garantir que desenvolvem ou irão desenvolver um conjunto de habilidades ajustadas às demandas. Então vai a seguir nossas sugestão sobre o que considero as seis principais habilidades fundamentais, caso você esteja pensando em trabalhar neste setor ou recrutar para tarefas de minerar em grandes quantidades de dados.

 

Habilidades analíticas

 

Talvez a habilidade mais óbvia que você precisa é de ser capaz de dar sentido a uma enxurrada de dados que a estratégia de coleta de dados recém-implantada está acumulando para você.

 

Analyticsenvolve a habilidade de determinar quais dados são relevantes para a pergunta que está esperando para ser respondida, e a interpretação dos dados, a fim de obter essas respostas.

 

Se você tem um talento especial para identificar padrões, e estabelecer ligações entre causa e efeito em seguida, essas habilidades serão inestimáveis, ainda mais  ​​se você está encarregado de transformar dados de uma empresa em planos viáveis ​​de operação ou condução de implementações estratégicas.

 

Criatividade

 

Não há regras rígidas e rápidas sobre para o que uma empresa deve usar Big Data. É uma ciência emergente, significando que a capacidade de chegar a novos métodos de coleta, interpretação, análise e - finalmente - LUCRO - com uma estratégia de dados, é uma habilidade muito valiosa.

 

Os astros de dados corporativos do futuro serão as pessoas que podem surgir com novos métodos de aplicação de análise de dados de formas inovadoras. Muitas vezes eles vão ser a solução de problemas que as empresas nem sequer sabem que têm - como, por exemplo, suas percepções em destacar gargalos ou ineficiências nos processos de produção, de comercialização ou de entrega. Em particular, a criatividade é importante para qualquer esperança de dar sentido a dados não estruturados - dados que não se encaixam confortavelmente em tabelas e gráficos, tais como a fala humana e da escrita.

 

Matemática e Estatística

 

O bom e velhocrunchingnúmerofashioned. Apesar da crescente quantidade de dados não estruturados ser incorporadas em estratégias de dados, grande parte da informação que está sendo colhida e armazenada e pronta para análise, ainda assume a forma de números.

E mesmo quando se lida exclusivamente com dados não estruturados, o objetivo do exercício é muitas vezes para reduzir a elementos de dados os emails, mensagens de meios em mídia social etc - a figuras que podem ser quantificados, para que conclusões definitivas a serem extraídas. Isso significa que os candidatos com uma sólida formação em matemática ou estatística estão numa posição ideal para dar o salto para grande empresa de dados.

 

Ciência da Computação

 

Os computadores são os burros de carga por trás de cada estratégia de Big Data, e os programadores serão sempre necessários para chegar a algoritmos que processam dados em insights. Esta é uma categoria muito ampla, que abrange toda uma série de áreas distintas, tais como aprendizagem de máquina, bancos de dados ou computação em nuvem, que serão grandes adições ao arsenal de qualquer cientista de dados de brotamento. Em particular, você deve estar familiarizado com a gama de tecnologias de código aberto - Hadoop, Python, Pig, etc - que compõem as bases da maioria das grandes empresas de dados.

 

Habilidades de negócios

 

Uma compreensão dos objetivos do negócio e os processos-chave que impulsionam o crescimento do lucro e de negócios também são também essenciais. A ideia de que uma empresa vai contratar um cientista "cabeça de ovo" de dados e que ele será "escondido" em um laboratório subterrâneo, para trabalhar em sua mágica com os dados e que ele será alimentado  através de uma fenda na porta é perigosa  e errada. Ele deve ter um forte alinhamento como os  objetivos de negócio da empresa , bem como a compreensão dos indicadores que  permitam saber se  está tudo  indo na direção certa.

 

Capacidade de comunicação

 

Uma parte essencial de um conjunto de habilidades do cientista de dados é a capacidade de comunicar os resultados da análise para outros membros de sua equipe, tanto na forma inter-pessoal e como também de forma escrita, para que os principais tomadores de decisão  sejam  capazes de compreender rapidamente as mensagens-chave e as ideias.

Isto também inclui as habilidades adicionais  de visualização e comunicação de dados de forma mais eficaz. Você pode ter as melhores habilidades analíticas do mundo, mas você deve ser  capaz de tornar as suas descobertas compreensíveis para todos com os quais interage, e de demonstrar como elas vão ajudar a melhorar o desempenho e impulsionar para o sucesso. Suas conclusões serão de pouca utilidade para qualquer negócio se não forem comunicadas de forma objetiva e concisa.

Autor: Bernard Marr

Fonte: http://smartdatacollective.com/bernardmarr/275526/six-key-big-data-skills-businesses-need

 

Caso você desejar aprimorar suas técnicas de apresentação e oratória de uma forma geral, temos dois conteúdos que poderão de ajudar:

Oratória: A arte de falar bem e fazer apresentações em público

Curso Técnicas de Apresentação para Executivos

 

FastSalas.com