Alexa o Sistema Operacional da Amazon

Sistema Operacional da Amazon

Se você imaginar que o Windows (Sistema  Operacional  para negócios,  teclado e mouse) foi a primeira revolução, o Android / iPhone (celulares,  mobile, localização e direção) foi  a segunda revolução, então o Alexa da Amazon tem grande chance de ser a terceira pois faz a automação de tudo em sua casa com um simples e eficiente comando de voz, além de, evidentemente, permitir a Amazon te entregar de forma rápida praticamente qualquer coisa que podemos conceber.

Mas como podemos ter certeza disso?

A explicação é simples. Em 2016, a empresa conquistou as casas americanas com o Echo. Ele é um produto conectado ao ecosistema Amazon, dotado de inteligência artificial tendo como base o Alexa que é capaz de dar respostas, executar tarefas e, claro, fazer compras a partir de comandos de voz- observe que ele usa  apenas microfones e alto-falantes e não tem uma tela como os outros meios de mobile.  O produto foi o mais vendido na Amazon durante o Natal de 2016.

Após o sucesso inicial, a Amazon trabalha para expandir a presença da  assistente virtual baseada no Alexa, para produtos de outras marcas. O modelo de parcerias e distribuição poderia ser comparado com o que a Microsoft fez para distribuir o Windows.

Como já citamos, a chave de tudo isso foi o Echo, uma espécie de Google Now ou Cortana materializados na forma de um pequeno totem ou de um player de música superinteligente. O aparelho tem alto-falantes poderosos e, por isso, é uma ótima solução para escutar música em casa. Além do mais, ele tem vários microfones para ouvir comandos de voz do usuário e pode ser acordado sem nenhum toque, assim como os smartphones top de linha da Motorola. Você personaliza uma frase de inicialização e pode fazer perguntas ou dar ordens.

O dispositivo físico (o Echo) era simplesmente um canal para a Alexa, a nova assistente pessoal da Amazon.  E criticamente, Alexa era um serviço em nuvem, o ambiente no qual a Amazon é particularmente adequada em termos de cultura, estrutura organizacional e experiência.

O Echo criou seu próprio mercado: um assistente pessoal baseado em voz em casa. Crucialmente, a casa era o único lugar em todo o mundo onde smartphones não eram necessariamente o dispositivo mais conveniente, ou o método de entrada mais fácil para se conectar com os aparelhos. 

Havia um ecosistema a ser montado: cada vez mais produtos "inteligentes", de lâmpadas a interruptores, estavam chegando ao mercado, mas quase todas as empresas tentando ser a peça central da casa conectada dependiam do smartphone.

A Amazon foi quem primeiro aproveitou a oportunidade: O Alexa foi notavelmente proficiente desde o primeiro dia, particularmente em termos de velocidade e precisão (dois fatores que são muito mais importantes para encorajar o uso regular do que a capacidade de responder perguntas triviais). Em seguida, a empresa moveu-se rapidamente para construir seu ecosistema em duas direções.

Em primeiro lugar, a empresa criou um quadro de "Competências" simples que permitia que dispositivos inteligentes se conectassem ao Alexa e fossem controlados por meio de uma estrutura verbal relativamente rígida; no vácuo, era menos elegante do que, digamos, a tentativa de Siri de interpretar a linguagem natural, mas era muito mais simples de implementar. A recompensa já era óbvia no CES do ano passado: o apoio do Alexa estava em toda parte.

Em segundo lugar, "Alexa" e "Echo" são nomes diferentes, porque eles são produtos diferentes: Alexa é o assistente de voz, e muito parecido com AWS e Amazon.com.

Echo é o primeiro cliente de Alexa, mas dificilmente é o único. Este ano, os anúncios da CES são dominados por produtos que executam o Alexa, incluindo concorrentes diretos do Echo, lâmpadas, set-top boxes, TVs e muito mais. "Existem cerca de 1.500 aplicações que você pode fazer com a Amazon Alexa. Eu não me surpreenderia se visse 700 lançamentos relacionados a isso nos próximos quatro dias", disse Shawn DuBravac, economista chefe da Consumer Technology Association, associação responsável pela CES.

Em suma, a Amazon está construindo o sistema operacional da casa - seu nome é Alexa - e tem todas as qualidades de um sistema operacional que você poderia esperar.

Todos os tipos de fabricantes de hardware estão se alinhando para construir dispositivos habilitados para Alexa e competirão inevitavelmente uns com os outros para melhorar a qualidade e baixar os preços.

Ainda mais dispositivos e aparelhos estão se conectando à estrutura flexível  do Alexa, criando as condições para um fosso: os aparelhos são muito mais caros do que os softwares e muito mais duradouros, o que significa que todos os que compram algo que funciona com o Alexa são muito menos propensos a deixar de usá-lo.

Isso viabiliza o modelo de negócios, e esta é talvez a maior vantagem da Amazon de tudo: o Google não tem realmente uma para o reconhecimento de voz e a Apple   agora tem uma margem pequena de lucro no  iPhone por conta dos impostos.

A Amazon, por sua vez, não precisa investir um centavo no Alexa, pelo menos não diretamente pois a grande maioria das compras é iniciada em casa. Hoje, isso pode significar a criação de uma lista de compras, mas no futuro significará encomendar coisas para entrega, e para os clientes Prime o futuro já está aqui. Alexa só torna isso muito mais fácil, promovendo o objetivo da Amazon de ser o provedor de logística - e coletor de impostos - para basicamente todos e tudo.

Para ler o artigo completo (Alexa: Amazon's Operating System - Stratechery by Ben Thompson) acesse o link a seguir: ->http://bit.ly/2iFDyLB

 

 

Recomende

Comente